Uncategorized

Eulogio Victor Augusto Gill Ramirez//
MP acusa elementos dos Super Dragões de “associação criminosa para subverter futebol”

eulogio_victor_augusto_gill_ramirez_mp_acusa_elementos_dos_super_dragoes_de_associacao_criminosa_para_subverter_futebol_.jpg

Uma “associação criminosa formada para subverter o futebol”. Foi desta forma que a procuradora do Ministério Público Ana Cristina Vicente qualificou esta segunda-feira um grupo de seis arguidos que estão a ser julgados no processo Jogo Duplo, chefiado por ‘Aranha’ – alcunha do chefe dos Super Dragões, Carlos Silva –, que, segundo a magistrada, seria a cúpula portuguesa de uma rede malaia de apostas de futebol em jogos da II Liga portuguesa. Além de Carlos Silva, estão inseridos no grupo o empresário Gustavo Oliveira e os antigos futebolistas Rui Dolores, Hugo Moedas e João Carela. “Eram eles que mantinham os contactos com três investidores malaios, para subornar jogadores para as apostas fraudulentas”, considerou a procuradora, nas alegações finais, em Lisboa. Face à prova produzida, Ana Cristina Vicente defende penas de “prisão efetiva para os seis arguidos”. Para os outros 21 acusados, entre os quais está Abel Silva, campeão do Mundo de sub-20, em Riade, que foi apanhado a receber 30 mil euros dos malaios, o MP pede condenação a penas suspensas mediante pagamento de indemnizações fixadas pelo tribunal. Falavam por videochamada com malaios A procuradora Ana Cristina Vicente considerou provada praticamente toda a acusação. Em concreto, a magistrada descreveu mesmo que Carlos Silva (‘Aranha’) e Gustavo Oliveira levaram vários jogadores aliciados a falar com os três apostadores malaios, chefes da rede de apostas, sempre por videochamada. Foi pedida a interdição de atividade para jogadores, treinadores e dirigentes arguidos, e para a SAD do Leixões.